SALONSALONS ★ O PERSONAL COMPUTER SHOW UMA VEZ MAIS SOB O SIGNO DA AMSTRAD ★

Personal Computers Show 1988Salon Salons
★ Ce texte vous est présenté dans sa version originale ★ 
 ★ This text is presented to you in its original version ★ 
 ★ Este texto se presenta en su versión original ★ 
 ★ Dieser Text wird in seiner Originalfassung präsentiert ★ 

De 14 a 18 de Dezembro realizou-se em Londres, no Earls Court Hall, o décimo primeiro Personal Computer Show, onde a Amstrad apresentava pela primeira vez, ao público em geral, uma variadíssima gama de produtos: 6 modelos de unidades centrais baseadas nos processadores, 8086,80286 e 80386; 4 novos monitores VGA; um Modem de elevadas performances; uma rede e o respectivo software compatível. Não satisfeita com este anúncio massivo de produtos profissionais, a Amstrad aproveitou a oportunidade para lançar 3 novos modelos Sinclair — computadores domésticos — profissionais compatíveis IBM.

COM mais de 400 companhias representadas, o Personal Computer World Magazine realizou, de 14 a 18 de Setembro, mais uma edição do seu certame anual, talvez o maior da Europa a seguir à Cebit (Hannover) e à Sicob (Paris).

Três aspectos importantes demarcaram esta edição do evento das suas predecessoras. Uma instalação em três áreas distintas: profissional, grande público e de divertimento, em vez da organização anterior só com as áreas profissional e de divertimento. Esta situação obrigou a que o Personal Computer Show, necessitasse de mais espaço, pelo que se veio a realizar em Earls Court em vez de utilizar o tradicional Olympia. O próprio nome do certame, nesta perspectiva de engrandecimento, passou de Personal Computer World Show, para Personal Computer Show, não lhe deixando assim, em termos de nome conexão com uma revista isolada.

Cada uma das áreas do show “Business Hall”, “Central Hall" e “Leisure Hall”, eram caracterizadas para atrair os mais diferentes tipos de visitantes em função dos seus interesses específicos.

O Business Hall era reservado a visitantes profissionais e tinha os stands agrupados por especialidades de modo a permitir a comparação in loco de produtos com a mesma função. Era ponto de acolhimento para “dealers" e profissionais com interesses específicos.

No Central Hall encontrava-se a maior parte dos fabricantes de micro computadores pessoais, profissionais e domésticos.

O Leisure Hall albergava um verdadeiro mundo de “criadores” de jogos e de empresas que procedem à sua distribuição. Nesta área decorriam ainda o Campeonato Nacional de jogos de computadores patrocinado pela US Gold e o campeonato Pepsi sob a égide desta marca de refrigerantes.

Os nossos enviados especiais percorreram as várias áreas e relatam o que viram aos leitores, sem a preocupação de serem exaustivos, mas somente dando relevo ao que mais importante lhes pareceu dentro dos produtos conhecidos no nosso país.

BUSINESS HALL

O objectivo dos expositores instalados em tal área era o de mostrarem aos visitantes qualquer peça de software que de alguma forma pudesse melhorar a produtividade dos seus negócios.

APPLE CENTER WEST LONDON

Este distribuidor apresentava a gama corrente da Apple, incluindo o Macintosh e a Laser Writer.

Aplicações incluindo as de Desktop Publishing, eram mostradas ao público, no caso presente com a colaboração, ao vivo, de um conhecido artista gráfico inglês.

Numa área específica poderiam ainda ser vistas utilizações do Macintosh na música. Também aqui, verdadeiros músicos faziam a apresentação dos sistemas.

CAF

O Stand da CAF chamou a nossa atenção pela variedade de produtos de fabrico próprio — disseram-nos — que apresentava.

Toda uma gama de micros, incluindo, ao nível superior, um 80386 de 25 MHz, laser printers, portáteis e scanners estavam em exposição no stand.

CREATIVE TECHNOLOGY

Mais um fabricante de soluções para aplicação dos PC à música, a Creative Technology mostrava o Creative Music System.

No que respeita a hardware, o sistema integra a Music Synthetizer Card, adaptável a todos os compatíveis, com 12 canais (vozes) stéreo de saída e 32 instrumentos seleccionáveis, a carta suporta ainda um amplificador stéreo conectável a altifalantes, auscultadores ou unidades musicais externas.

O software que completa o sistema é composto por diversos produtos dos quais se destacava o Creative Intelli-gent Organ, software este que converte o PC num orgão com notável potência.

CUMANA

Salientámos neste fabricante um sólido e bem adaptado disco externo de 20 Mb para o PPC. É de notar que esta unidade tem fonte de alimentação incorporada destinada a fornecer energia ao PPC.

A CUMANA expunha também outras unidades externas de discos e disquetes para compatíveis e não compatíveis.

MICROSOFT

Os mais recentes produtos da “software house” estavam presentes no stand. Mereciam destaque: o Microsoft Excel, potente folha de cálculo gráfica a correr sob o Windows, um sistema de tratamento de textos, e o Microsoft Word.

Uma package de gestão - Microsoft Works o Microsoft Project e o Microsoft Multiplan, a cores sob OS/2, estavam também em exposição.

NINE TICES

Apresentava a sua rede Super-Link, já conhecida no nosso país, numa nova versão.

OLIVETTI

O construtor tinha em exposição toda a sua linha de computadores pessoais para aplicação de gestão, educação e redes. Era mesmo dado maior destaque às aplicações do que ao material em si.

Entre sistemas especializados, a Olivetti oferecia no seu stand o Olivetti Desktop Publishing, sistema multi-utili-zadores e a rede MultiLan.

Toda uma gama de PC estava em demonstração, desde o portátil M15PC até ao super-micro M380xP/5 baseado

no processador 80386 e com disco de 300 Mb.

A Olivetti era ainda um dos poucos fabricantes que mostrava a sua adesão ao OS/2 tendo presentes várias aplicações sob este sistema operativo: MS/ OS-2 LAN Managerda3COM, MS-OS/ 2 SQL da Ashon-Tate e o Presentation Manager da Microsoft.

SAMSUNG

Para além dos habituais PC/XT e PC/ AT, o fabricante dava especial relevo a um novo monitor de 15", a branco e preto, com formato A4.

SUN MICROSYSTEMS

Várias workstations para PC e Apple eram o ponto forte do stand da SUN. A família de produtos oferecidos variava entre os 1.5 e 10 Mips (Milhões de Instruções Por Segundo) e utilizava os processadores Intel 80386, Motorola 68000 e SARC.

Outra gama em exposição era o TOPS, composta pelos elementos necessários à constituição de uma rede de baixo custo mas capaz de integrar ficheiros criados debaixo do DOS. MAC e UNIX.

TOSHIBA

Sem novidades, podiam ver-se no stand deste fabricante os habituais T3100/20, T3200 e T5100.

TULIP

A marca holandesa, recentemente à conquista do mercado inglês, apresentava uma gama de compatíveis de baixo preço, tendo no seu tipo um modelo novo, o AT386.

CENTRAL HALL

O Central Hall funcionava como o ponto de encontro dos visitantes da área profissional com os apaixonados pelos jogos de computadores.

A maior parte da área era ocupada por fabricantes dos PC de grande divulgação, entre os quais a Amstrad não passava despercebida.

ATARI

Num magestoso stand (Atari Village) encontravam-se cerca de 60 expositores, na maior parte dos casos “criadores” de software, com ligações à conhecida marca de computadores domésticos.

A Atari expunha a família completa dos seus produtos: as consolas de jogos VCS, as máquinas XE, a gama STFM, os Atari compatíveis IBM e o Abaq Transputer.

No que respeita a programas destacavam-se o Hyper Paint, o Hyper Draw e o Hyper Chart, para além de uma meia dúzia de jogos novos para a família XE.

CAMBRIDGE COMPUTER

Esta firma com conotações com Sir Clive Sinclair, apresentava o pequeno portátil Z88 e toda uma gama de periféricos destinados a este equipamento.

COMMODORE

Como stand isolado, isto é, sem albergar um conjunto de empresas como no caso da Atari, era efectivamente o da Commodore o que maior espaço tinha na feira.

Não haviam, no entanto, novidades em termos de hardware, embora existissem jogos ditos como tendo a sua primeira aparição na feira.

COMPUTER MUSIC SYSTEMS

Os produtos deste fabricante não eram fáceis de identificar, mas não há dúvida que a quantidade de hardware exposto mostra o grande desenvolvimento que tem vindo a ter o mercado da música assistida por computador.

LOCOMOTIVE SOFTWARE

Como é do conhecimento geral esta software house tem sido partner da Amstrad em muitos produtos: o Locos-cript e o Locomail para as séries PCW e ainda o Locomotive Basic 2 para as séries PC 1512/1640.

Dada a evolução da Amstrad em termos de compatibilidade, a Locomotive tem ficado um pouco de fora e os produtos que apresentava não são mais do que extensões dos já conhecidos.

São exemplos disto, o Basic 2 Plus e versões do Locoscript capazes de trabalhar com os alfabetos árabe, farsi e urdu.

OPUS

Faz-se referência a este fabricante não só pela importância, ainda que relativa, que tem no mercado inglês, mas também porque apresentava dois novos PC de baixo preço: os PC6 e PC7, ambos suportados pelo processador Intel 80386.

REAL TIME TRAINING

Entre outras, esta empresa era suporte daquilo que está a ser um novo mercado em Inglaterra no que respeita à formação em computadores: a comercialização de cursos de treino em computadores de uma forma geral ou com aplicações de software específicas.

Os referidos cursos de auto-formação são normalmente comercializados em cassetes audio ou vídeo acompanhadas dos repectivos manuais.

LEISURE HALL

Nós nunca estivemos em Las Vegas naquela que normalmente se considera o paraíso dos jogos de azar. Mas, a imagem que temos do ambiente frenético que aí se deve viver é muito parecida daquilo que nos foi dado ver no Leisure Hall, no PCW Show.

Filas de jovens impacientes para experimentarem os jogos do hit-parade, máquinas de jogos que naqueles dias se abstiveram de caçar níqueis, mas continuaram a produzir bem alto o seu “falar" electrónico, simuladores ligados a jogos que faziam sentir ao operador os erros de um “despiste" ou “aterragem falhada”, feirantes a venderem software já ultrapassado mas que o anunciavam em concorrência com os típicos “vendedores de banha da cobra”, tudo isto era o Leisure Hall, a uma distância abismal do Business Hall, por um lado e, por outro, muito ali ao pé.

Ficamos pela imagem que tentámos dar, mas assistimos às novidades que cada um apresentava para não corrermos o risco de trocar os menos pelos mais importantes, dada a imensidão de tudo o que vimos.

A AMSTRAD NO PCW SHOW

Ao contrário do que tem vindo a fazer em anos anteriores, a Amstrad apresentava-se no Central Hall, num único stand. Com isto pretende dizer-se que não existia um stand Sinclair e que os Spectrum +2, +3 e PC 200 emparelhavam com os outros equipamentos deste construtor. No entanto, pareceu-nos que, eventualmente para não contradizer a sua vontade de avanço no mercado profissional, a Amstrad quase escondeu a gama Sinclair, excepção seja feita, obviamente ao recém nascido Sinclair PC200, ao qual foi dado lugar de destaque. Quanto aos computadores de jogos ainda com a marca Amstrad, os CPC 464/6128, só nos recordamos de os ver como elementos de uma package promocional que vai ser lançada em Inglaterra no Natal e, ainda assim, inacessíveis por o exemplar único se encontrar dentro de uma vitrine.

Como competiria à maior marca europeia de micro-computadores, o stand em que se apresentava tinha dimensão ao seu nível e era dotado de uma notável funcionalidade por forma a não inibir os visitantes de nele se moverem livremente. Catálogos de todos os produtos estavam disponíveis em regide de self-service.

Voltando aos produtos expostos, na área dos PCW era o 9512 que merecia especial destaque. Os PC1512 e P1640 ombreavam, num acanhamento, com as novidades da série 2000, da qual todos os modelos estavam presentes.

CONCLUSÃO

Em termos de organização, o PCW Show de 1988 melhorou bastante em relação aos seus precedentes. São três os factores que contribuíram para tal: uma maior área para os expositores, a sua divisão em três salões distintos e um número bastante elevado de balcões de recepção que obviaram às intermináveis filas de espera a que estávamos habituados.

Quanto a produtos, foi quase regra geral, todos os construtores apresentarem mais um modelo de PC, sempre baseado no 80386. Com 24 modelos de novos PC, a Amstrad foi sem dúvida o construtor que maior interesse mereceu dos visitantes ao PCW SHOW de 1988.

Amstrad Semanal

★ PAYS:
★ ANNÉE: 1988

CPCrulez[Content Management System] v8.7-desktop/cache
Page créée en 832 millisecondes et consultée 242 fois

L'Amstrad CPC est une machine 8 bits à base d'un Z80 à 4MHz. Le premier de la gamme fut le CPC 464 en 1984, équipé d'un lecteur de cassettes intégré il se plaçait en concurrent  du Commodore C64 beaucoup plus compliqué à utiliser et plus cher. Ce fut un réel succès et sorti cette même années le CPC 664 équipé d'un lecteur de disquettes trois pouces intégré. Sa vie fut de courte durée puisqu'en 1985 il fut remplacé par le CPC 6128 qui était plus compact, plus soigné et surtout qui avait 128Ko de RAM au lieu de 64Ko.